10 de set de 2009

Para Nina

Hoje acordei com vontade de gritar.
Bem alto para todo mundo ouvir.
Um grito carregado de sentimento, com voz rouca e estrondosa.
Com a certeza da vida maravilhosa.
Com a consciência da verdade em meu pensamento.
Quero berrar com todo o ar dos meus pulmões.
Com a força que faz meu sangue pulsar.
Com a intensidade dos meus pensamentos loucos.
E os desafios que a vida me impõe aos poucos.
Te amar é tudo que quero.
Você é tudo que desejo.
Por você eu despejo todo meu amor.
Em litros, aos poucos.
Em gotas.
Em boas doses.
Em doces sabores.
Com a simplicidade de uma criança.
EU AMO VOCÊ.

12 de jun de 2009

Qual é o dia dos namorados?

Viajando em meus pensamentos estava a questionar: Qual é o verdadeiro dia dos namorados? 12 de junho de acordo com o calendário religioso do nosso país? 14 de fevereiro como o de outros países de São Valentim?
Seja qual for a data escolhida a convergência é apenas para um único objetivo, nada amoroso e extremamente lucrativo.
Aí vai minha opinião pessoal: Passo esse dia como qualquer outro dia...mas vale lembrar que pra mim nenhum dia é um dia qualquer. Todo dia é um dia especial, cada momento é especial, cada telefonema é especial, mensagens de texto pra contar besteiras de qualquer natureza, indignações conjuntas ou solitárias... Tudo isso tem vida e sentido por causa de uma pessoinha que tem me aturado com bastante paciência por quase dois anos e meio (no próximo dia 21). Pessoa que aprendi a conviver, amar, ser amigo, saco de mordidas e pancadas, peso de porta, por aí vai... Sem muita dificuldade eu a amo, nunca precisei me esforçar nem mentir pra dizer isso a ela com boca cheia e coração batendo forte. Amo a vida que levo e vou amar ainda mais aquela que construiremos juntos. Pequena que me engrandece, me deixa feliz, me arreta, me bate/morde, pede meu ombro como ninguém. Digo com toda segurança do mundo que ela é a pessoa que me completa, me entende mais que eu mesmo (isso até me assusta), reclama comigo quando faço besteiras e gargalha de forma irônica das minhas piadas mais engraçadas.

Dias comerciais não são minha praia. Mas a meu modo dei um jeitinho de dizer aquilo que sinto com toda força e felicidade.
Te amo sempre mais.
milhões de beijos

21 de jan de 2009

Saudades da infância



Após um longo e tenebroso inverno volto a movimentar este relicário.
Sabe aquele dia que você acorda completamente saudosista? Pronto, é hoje!
Me peguei pensando em coisas que pensava na minha infância. Como era bom ter como maior preocupação passar por média. Como era legal lá pelas 3h da tarde ir pra rua jogar bola com os amigos. Estes que já nem sei por onde andam em sua maior parte. Ficaram alguns, poucos mas verdadeiros. Das coisas que mais gostava de fazer quando criança uma se faz obrigatória nessa confissão: contemplar a vida e a sua beleza até nas pequenas coisas. Subia num pé de jambo que tinha na casa da minha avó e ficava vários e vários minutos viajando em pensamentos sobre tudo. Como será o espaço? Como serei daqui a 20, 30, 40 anos? Conseguirei envelhecer? Porque a gente morre? Para onde vamos depois disso?
Várias bobagens que pensava antes e continuo pensando. Vejo que envelheci mais por fora que por dentro. Continuo uma criança ingênua sem ser tola, uma pessoa que confia demais e quebra a cara por isso, mas que continua sempre agindo da mesma maneira, um ser que ama com todas as forças. Continuo egoísta com meus pensamentos e radical com minhas opiniões. Continuo o mesmo chato que quase ninguém conhece de verdade. Ainda hoje penso: conseguirei envelhecer? Tudo isso pois, de fato, ainda não consegui me imaginar velhinho, de cabelos brancos e algumas dificuldades que a idade nos traz. Ainda hoje quero ser capaz de mudar o Mundo, ou pelo menos fazer minha parte por um melhor. Ainda hoje fico de saco cheio de uma coisa com a mesma velocidade que me atraio por ela. Definitivamente sou um ser fadado ao tédio.
Será que vou conseguir tirar 8,0 em matemática? Esta foi minha maior preocupação da infância. O tempo passou e, com 25 anos, vejo que responsabilidades e obrigações são complicadas. Não queria ter envelhecido. Talvez por isso me dê tão bem com crianças até hoje. Mas apesar de todo esse temor, me fascina a incerteza do amanhã, sou um cara curioso e adoro descobertas. E quero descobrir que estou no caminho correto para realização de meu sonho maior, ser Delegado Federal. O tempo me dirá, como já me disse outras tantas coisas que eu não sabia.
O tempo nos devora se não soubermos lidar com ele. E, decididamente, não nasci pra ser devorado!

21 de jul de 2008

Tudo de bom


Música que retrata bem o que tenho sentido...

Tudo de bom (Fernanda Porto)

Só poderia ser
Sempre com você
Você acelerou minha calma...(2x)

Já misturou tudo em mim
São Paulo, Rio de janeiro
Em Londres
Num grande terreiro...

Natal caiu em fevereiro
É carnaval o ano inteiro
Só com você, poderia ser...

Só poderia ser
Sempre com você...

Na pista todo mundo brilha
Aqui tudo é bonito demais
Só dança quem sacode o planeta...

Não sei se é moderno ou careta
Querer um amor tão eterno
Só com você
Tudo é tudo de bom...

Na pista todo mundo brilha
Aqui tudo é bonito demais
Só dança quem sacode o planeta

Não sei se é moderno ou careta
Querer um amor tão eterno
Só com você
Tudo é tudo de bom...

Você é tudo, você é tudo
Você é tudo de bom...(2x)

14 de jul de 2008

Canhoto destro

Essa veio do fundo do Relicário... pra ser mais preciso a 4 anos atrás...O texto é comprido mas leiam por favor, principalmente os canhotos como eu.

Estava cá pensando: Qual motivo me levou a ser canhoto? Motivo sim, pois acho que ainda bebê, quando fiz essa opção, deveria ter um motivo muito forte. Mas com o passar dos anos, quase 21, percebi que sou canhoto apenas para escrever e fazer coisas que exijam maior atenção. Para outras coisas sou totalmente destro, o canhoto mais destro que já vi, nunca notei outro afinal. Voltando então ao primeiro questionamento, creio eu que decidi ser canhoto para me destacar entre um monte de destro sem graça, só pra ser diferente; Ah, pra chamar atenção mesmo. Dizem, sem falsa modéstia e amparado pela ciência, que os canhotos são mais inteligentes. Não, o termo não é esse e sim: “Usam mais o cérebro que os destros.” Calma! Isso não implica que nos canhotos sejamos mais inteligentes; pelo contrário, penso que nós somos mais burrinhos, pois para compreender uma simples coisa usamos mais o nosso cérebro. Mentira, me acho inteligente sim. Voltando à minha escolha, como se não bastasse o desejo de ser diferente, notei que existiam vários canhotos, decidi ser mais ainda. Quando comecei a jogar bola foi que percebi, mas já era assim muito antes, que era um canhoto destro. Vai ser diferente assim lá na M... Pontaria certeira na mão direita, que dizer, apenas para algo que me incomoda (a vidraça da vizinha chata). Na mão esquerda tenho pontaria certeira quando o alvo é o coração, acho. Dizem que o cérebro cruza as informações, logo, se sou canhoto de mão, sou destro no CABEÇÃO. O que sou afinal? Um canhoto com mania de aparecer, precisando de atenção ou apenas um destro que quando nasceu quis ser diferente e escreve de mão trocada? Maior sofrimento do mundo foi quando fraturei o braço esquerdo, como sou exagerado, logo em dois lugares. Mas foi o melhor sofrimento que já pode acontecer, se é que existe sofrimento bom. Fiquei 15 dias sem escrever nada, pelo menos nada legível. Paparicado demais, estava até me acostumando. Tentava escrever com a mão direita, só pra fazer charminho, mas meu lado esquerdo do cérebro é retardado, por isso não saía nada que um balconista de farmácia pudesse decifrar. Escrevendo tento chegar a alguma conclusão aceitável sobre o fato de ser canhoto. Mas ser canhoto é muito mais que o simples fato de escrever com a mão esquerda. É ter que sentar em carteira de destro durante toda a vida acadêmica, adaptar-se à situação de tal modo que não se consegue sentir-se à vontade numa carteira “especial”. É comer certo, com o garfo na mão esquerda, não por educação sim por necessidade. É sentir dificuldade para trocar a marcha do carro, que pena não morar na Inglaterra. E por último, mas não menos tragicômico, sujar a mão e borrar tudo que escrevo. É! Não se dá pra notar o esforço que os canhotos fazem para não passar com a mão sobre o que acabou de escrever. Mas tenho outras definições para o ser canhoto. É ter o privilégio de carteiras “especiais”, pois é isso que somos. Poder ser disperso prestando atenção em tudo, paradoxal, não? Ver o mundo de maneira totalmente diferente, como peixes fora d água. Ter maior sensibilidade com tudo e todos. É utilizar um pouco mais de cérebro sem o mínimo esforço para isso. É escrever palavras que podem borrar, mas que por sua força, mesmo desfeitas jamais perdem a essência. Passar vários minutos, horas, dias, meses pensando como seria um mundo só de canhotos, não é coisa para canhoto, pelo menos não para os ocupados ou com preguiça de sentirem-se canhotos deste modo que explicitei. Se passei a noção exata do que é ser canhoto, para todos os outros que o são, não sei. Só acho que sou um canhoto ao contrário. Escrevo as coisas ao contrário, mas nem por isso penso o contrário, apenas imagino, ou realizo, diferente. Só mais uma coisa, um planeta de canhotos não prestaria pra mim, pois lá eu seria destro.

10 de jun de 2008

Down em mim
Composição: Frejat/Cazuza

Eu não sei o que o meu corpo abriga
Nestas noites quentes de verão
E nem me importa que mil raios partam
Qualquer sentido vago de razão
Eu ando tão down
Eu ando tão down

Outra vez vou te cantar, vou te gritar
Te rebocar do bar
E as paredes do meu quarto vão assistir comigo
À versão nova de uma velha história
E quando o sol vier socar minha cara
Com certeza você já foi embora
Eu ando tão down
Eu ando tão down

Outra vez vou te esquecer
Pois nestas horas pega mal sofrer
Da privada eu vou dar com a minha cara
De panaca pintada no espelho
E me lembrar, sorrindo, que o banheiro
É a igreja de todos os bêbados
Eu ando tão down
Eu ando tão down
Eu ando tão down
Down... down